Uma doença que faz cair os cabelos em áreas limitadas, essa é a Alopécia Areata, são sintomas que podem ser tratados. Geralmente ocorre no couro cabelo, mas podem afetar também a barba, sobrancelha, cílios e pelos pubianos.

Alopécia Areata

Uma doença que faz cair os cabelos em áreas limitadas, essa é a Alopécia Areata, são sintomas que podem ser tratados. Geralmente ocorre no couro cabelo, mas podem afetar também a barba, sobrancelha, cílios e pelos pubianos.



Queda excessiva de cabelo, em áreas limitadas, geralmente no couro cabeludo, essa é a característica da Alopécia Areata. Também podem aparecer na barba, mas são mais comuns no cabelo, voltam a crescer em meses, mas se não tratadas, podem torna-se mais severas e levar a calvície.

[youtube]P7LiauXcspE[/youtube]


Sintomas

A Alopécia Areata mais comum, iniciasse provocando um pequeno círculo de calvície no cabelo, a pele fica lisa e careca. Algumas vezes ocorrem formigamentos, coceiras e sensação de queimação. Na forma mais severa, a queda de cabelo pode desenvolver-se por todo o couro cabeludo, e em outras partes do corpo, como cílios, barba, pelos pubianos, axilas e sobrancelhas.

Causas

A causa mais provável é uma reação auto-imune do organismo, significa que o sistema imunológico do corpo, ataca as próprias células, nos folículos pilosos (onde o cabelo cresce). Fatores genéticos também podem causar a doença, o risco de desenvolve-la em pessoas com rinite alérgica, asma, anemia perniciosa, doença de tireoide e síndrome de Down, são maiores.



Tratamento

No tratamentos são utilizados cremes, remédios e injeções para que o sistema imunológico não continue atacando as células daquela área, dessa forma os sintomas são inibidos, pois ainda não existe uma cura.

Dados Informativos

  • Alopécia Areata ocorre em 1% a 2% da população
  • Alterações nas unhas surgem em 10 a 50% dos casos
  • De 10% a 42% dos casos, existem pessoas da família com a mesma doença
  • Em 20% a 30% dos casos, vem associado com outra doença (diabetes, vitiligo, lúpus, entre outras)
  • De 7% a 10% desenvolvem a forma mais grave da doença

Fotos