Se você faz parte das quase 99% das mulheres que sofrem com celulites, conheça as dicas de especialistas que entendem do assunto e podem te ajudar a eliminá-las!

Como utilizar o cosmético correto no tratamento anticelulite

Se você faz parte das quase 99% das mulheres que sofrem com celulites, conheça as dicas de especialistas que entendem do assunto e podem te ajudar a eliminá-las!



Celulites

Que mulher nunca se preocupou com as tais celulites? Presente em quase 99% das mulheres, esses buraquinhos que incomoda qualquer pessoa podem ser reduzidos com cremes e massagens. Não há números oficiais, mas a experiência clínica de dermatologistas e cirurgiões plásticos indicam que 9 entre cada 10 mulheres têm celulites.

Segundo a Mônica Aribe, porta-voz internacional do laboratório Alergan, da Califórnia, as áreas que geralmente acumulam as celulites são as que as roupas ficam mais apertadas, acumulando gordura. “E também é onde geralmente as roupas ficam mais apertadas, comprimindo a circulação, fator que se agrava com o hábito de ficar muito tempo sentada”, afirma.


A especialista diz que a celulite é um processo inflamatório que não tem cura, ou seja, não caia na conversa daqueles que oferecem milagres para acabar com os furinhos. Mas há tratamentos que podem controlar esse problema. Cosméticos específicos, massagens e, nos casos mais avançados, tecnologias que destroem as células de gordura. “O sucesso dos tratamentos depende do nível de intensidade do problema, Mas uma coisa é certa, a tendência é se agravar, caso ocorra ganho de peso e falta de disciplina para aplicar os cosméticos”, alerta Mônica.

Veja as perguntas que o site UOL fez para a dermatologista Mônica Aribi:

Cremes anticelulites funcionam?

Mônica Aribi: Funcionam até certo ponto e para casos leves, como o grau 1 (quando a celulite ainda é suave e só aparece se comprimir a região). Em uma escala de 1 a 10, os cosméticos funcionam no nível 4. Mesmo com o avanço da tecnologia farmacêutica, existe uma dificuldade de penetração até a camada gordurosa (hipoderme), onde se encontra a raiz do problema – para chegar nela é preciso atravessar a camada córnea, a epiderme e a derme, o que não é simples para um cosmético. Quando aplicados com uma massagem eficiente, isto é, de baixo para cima, com movimentos circulares, pressão média e com duração de cerca de 10 minutos por região, podem melhorar até mesmo graus mais intensos. Mas isso acontece mais pela ação mecânica da massagem do que pela ação do creme. A massagem melhora a circulação e destrói os nódulos de gordura.



O que é possível melhorar com a utilização desses cremes?

É possível melhorar as ondulações leves, ou seja, uma celulite grau 1, aquela que se não tiver nenhuma pressão não se nota. A partir do grau 2 (quando se enxerga sem apertar) é preciso o creme e mais uma massagem, que pode ser drenagem ou massagem redutora. A frequência das sessões vai depender da gravidade dos furinhos. A partir do grau 3 (quando se começa a ver ondulações mais profundas e repuxamentos), o ideal é creme, massagem e uma tecnologia, que pode ser radiofrequência ou infravermelho, que vão esquentar a célula de gordura e melhorar a formação de colágeno, amenizando os sintomas da celulite. Com mais colágeno a pele fica forte, melhora a circulação e consequentemente o seu aspecto. No grau 4, quando os furinhos são profundos e têm aquele aspecto de “casca de laranja”, considerado o estágio mais avançado da celulite, além de creme, massagem e tecnologia muitas vezes é necessário fazer uma subcisão, que é a aplicação de um ácido hialurônico com partículas maiores, própria para corrigir depressão mais profunda. Mas é bom lembrar que esse procedimento tem efeito estético, não é um tratamento e nem age na causa do problema.