A greve nas obras do Maracanã foi mantida nesta sexta-feira; os trabalhadores reivindicam aumento salarial e plano de saúde; uma próxima reunião acontece na segunda

Greve no Maracanã

A greve nas obras do Maracanã foi mantida nesta sexta-feira; os trabalhadores reivindicam aumento salarial e plano de saúde; uma próxima reunião acontece na segunda



Greve no Maracanã

Os trabalhadores responsáveis pela reforma do Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã, decidiram nesta sexta-feira manter a greve que acabou interrompendo as atividades. O Sitraicp (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada Intermunicipal do Rio) reivindica melhorias nas condições de trabalho, exigindo aumento salarial e plano de saúde.

Segundo o presidente do Sitraicp, Nilson Duarte Costa, o trabalhador Carlos Felipe da Silva fraturou o joelho e sofreu queimaduras nas pernas após a explosão de um galão com solda. Essa foi à última faísca para que a greve estourasse. A Sitraicp se reuniu duas vezes com os responsáveis pelo consórcio da obra e um próximo encontro está agendado para segunda-feira. “Nós não queremos apenas o plano e saúde, queremos segurança!” disse Nilson.


Hoje são 2.100 operários trabalhando na reforma de uns dos principais estádios do país. Os operários correm contra o tempo, já que o Maracanã receberá diversos jogos do Mundial, inclusive a final. A construção começou há 3 meses e não parou nenhum dia, até o dia da greve.

Os gastos previstos para as obras estão estimadas em 1 bilhão de reais, que serão financiadas pelo BNDES e pagas pelo governo. O Estádio deve ser entregue em dezembro de 2012 para receber os jogos da Copa das Confederações, em 2013.



FONTE: UOL