O professor Marco Antonio Lima denunciou uma aluna por praticar racismo contra ele nos corredores da faculdade

Professor do Mackenzie acusa aluna de racismo

O professor Marco Antonio Lima denunciou uma aluna por praticar racismo contra ele nos corredores da faculdade



Mackenzie

O professor da faculdade Mackenzie, Marco Antonio Lima, irmão de Paulo Marco Ferreira Lima, apagou seu perfil do Facebook depois da polêmica que envolveu seu irmão e uma aluna de direito do quinto período. Na própria página do Facebook, Marco Antonio acusou a aluna de praticar racismo com palavras e expressões.  O professor Paulo Marco também é procurador e discutiu com a garota durante a aula, no último dia 26 de agosto. Paulo ameaçou a aluna e disse que a processaria por atitudes racistas. A aluna de direito desmentiu as declarações do docente.

Uma nota foi divulgada hoje (31), pelo Centro Acadêmico João Mendes Junior, relatando sobre o ocorrido. O professor diz ter conversado com o diretor do Mackenzie, Núncio Theophilo Neto, que declarou na noite de terça-feira, ter analisado os relatórios protocolados pela a aluna e o professor Paulo Marco no dia do acontecimento. Segundo Theophilo, nenhum dos documentos cita que a aluna de direito tenha realizados ofensas racistas contra o Paulo Marco.


Entenda o Caso

De acordo com o diretor do centro acadêmico, Rodrigo Rangel, o professor Marco Paulo abordou a aluna no corredor da faculdade e a discussão começou lá mesmo. A aluna se retirou e foi para a sala de aula, mas segundo Rodrigo, Paulo foi atrás da garota e fechou a porta, fazendo com que a aluna forçasse a abertura. “Ele disse que naquele momento ele iria se dirigir para a aluna não mais como professor, mas como procurador de Justiça, ameaçando a garota e dizendo que se ela não parasse de se dirigir a ele e ao segurança, ele daria voz de prisão a ela”, relata uma estudante que preferiu não se identificar.

O professor disse que não queria utilizar a sua força como procurador, mas que teve que fazer isso, pois a menina havia “passado dos limites”. No domingo, o centro acadêmico publicou uma nota repudiando as atitudes do professor, pedindo esclarecimentos do mesmo. A nota provocou uma reação dos alunos, que consideraram inadmissível a atitude de Paulo como professor.



Na página da rede social Facebook, o irmão de Paulo, que também é procurador, defendeu o irmão lembrando-se da sua humildade e afra descendência. “Essa postura, além de criminosa, é incompatível com a tradição mackenzista, primeira escola a aceitar filhos de abolicionistas”, disse o professor. Além disso, Lima também acusou a aluna de ir à página do Facebook do irmnão – que foi apagada- e chama-lo de “negro sujo”.

A aluna é bolsista do Pro Uni, programa do governo que oferece bolsa de estudos a alunos de baixa renda, e nega ter ofendido o professor. “Eu nunca faria uma coisa que pudesse me fazer perder a bolsa, que é integral”, alegou a aluna.