Revolta da Chibata - Resumo, causas e consequências

Entenda o que foi, quais as causas e consequência da Revolta da Chibata, um movimento amplamente conhecido no Brasil que tinha como objetivo a fim dos maus tratos.

Atualizado em

Revolta da Chibata

Resumo

No ano de 1910 ocorrera a Revolta da Chibata, uma manifestação ocorrida durante o governo conturbado de Hermes da Fonseca. Foi um levante que tinha embasamento em questões sociais, composto por integrantes das subdivisões da Marinha na época.  No movimento houve a rebelião de 2400 marinheiros contra a aplicação de castigos físicos, provocados em represália a faltas que os marinheiros cometessem. No motim, foram mortos pessoas que traíram o movimento e alguns oficiais da marinha e houve tomada da embarcação com intensão de bombardear a cidade.

Objetivo

O objetivo da Revolta da Chibata era a extinção dos castigos físicos sofridos pelos marinheiros, o fim do aprisionamento em celas isoladas, uma alimentação mais digna e saudável e que fosse colocada em prática o reajuste salarial de seus honorários ( já votadas em congresso). Dentre os objetivos citados, o de maior necessidade e de urgência era a abolição dos castigos sofridos, os quais serviam, segundo os oficiais, de exemplo para os demais marinheiros, sendo obrigados a assisti-los.

Causas

  • insatisfação com punições físicas;
  • insatisfação com alimentação;
  • reivindicavam melhores salários;
  • isolamento em celas como consequência de uma punição;

Estopim

Quando um marinheiro da embarcação, Marcelino Rodrigues, levou 250 chicotadas por ter machucado um companheiro da Marinha no interior do navio de guerra, com nome de Minas Gerais, que tinha como destino a cidade do Rio de Janeiro. Os rebelados assassinaram o capitão do navio e mais três militares.

Quem ficou a frente do movimento foi o João Cândido – popularmente conhecido na história como Almirante Negro –, foi o responsável por escrever a missiva com as solicitações exigidas para o fim da revolta.

Consequências

O presidente da época, Hermes da Fonseca,  se viu na necessidade de acatar as reivindicações dos manifestantes, e deu sua palavra em relação a realização das exigências do movimento. Os marinheiros a favor do movimento acreditaram na palavra do governante e entregaram suas armas e a embarcação, porém Hermes não cumpriu o trato e baniu alguns marinheiros que fazia parte do motim. Não satisfeitos, os marinheiros mais ávidos por mudanças provocaram um novo levante na Ilha das Cobras, porém fora severamente encoberto pelas tropas do governo, resultado em muitas mortes e o restante banidos da Marinha.