Dia 20 de Setembro é dia de relembrar a Revolução Farroupilha, que começou no Rio Grande do Sul e se tornou uma das batalhas mais longas da história do Brasil

Revolução Farroupilha

Dia 20 de Setembro é dia de relembrar a Revolução Farroupilha, que começou no Rio Grande do Sul e se tornou uma das batalhas mais longas da história do Brasil



No próximo dia 20 de setembro, a história nacional comemora o aniversário da revolução Farroupilha, também chamada de Guerra Farroupilha, uma das mais longas rebeliões já vista no Brasil. A batalha durou 10 anos (1834-1845) e teve como cenário principal o Estado do Rio Grande do Sul.

Os estancieiros gaúchos (donos de fazenda e criadores de gado), que não se contentavam com as ordens do governo em relação à economia e os interesses da classe, resolveram se separar politicamente do restante do país.


A província do Rio Grande do Sul era a maior produtora de carne seca do Brasil e abastecia o mercado interno, enquanto outras regiões preferiam importar o produto de países vizinhos como o Uruguai e a Argentina. O charque, como é conhecida a iguaria, foi muito utilizada para alimentar os escravos e prisioneiros de guerra. A reivindicação dos gaúchos fazia sentido, pois a concorrência sul-americana era desleal e impossível de ser mantida.

Mas o Governo Central do Império não atendeu aos pedidos dos fazendeiros que, revoltados, usaram o poder como classe dominante e decretaram guerra ao Rei, formando o Partido Exaltado, ou Farroupilha. O objetivo era criar uma autonomia para a província, instaurando o sistema federalista e separando o Rio Grande do Sul do restante do país, substituindo a Monarquia pela República.



O principal chefe do movimento era Bento Gonçalves. Ele foi o responsável por liderar a tomada da capital Porto Alegre e provocar as forças do Governo Central. Mesmo mandando tropas até a região, o Império não conseguiu derrotar os rebeldes, que estavam muito bem organizados.  Daí em diante, os Farroupilhas proclamaram a República de Piratini ou República Rio-Grandense, promovendo Bento como o primeiro presidente.

Forças aliadas como a do revolucionário italiano Giuseppe Garibaldi e de Davi Canabarro, também participaram do movimento, ajudando na conquista do Estado de Santa Catarina e proclamando a República Juliana, em 1839. Mas em 1840, dom Pedro 2º assumiu o trono com a intenção de pacificar e trazer a calmaria para a Monarquia, dando a anistia a alguns rebeldes. Só em 1842 que as forças Farroupilhas começaram a perder força. Foi o Barão de Caxias, Luís Alves de Lima e Silva, que conseguiu no dia 1º de março de 1845, entrar em acordo com Canabarro e encerrar a Guerra, e incorporando os soldados e oficiais Farroupilhas ao Exército nacional.